Como a gamificação pode te ajudar a construir um Onboarding incrível?


Revolução digital, geração Y sendo maioria nos postos de trabalho, tecnologia, chegada dos millenials ao mercado de trabalho, mais tecnologia, era da informação… estes são conceitos que de certa forma resumem o período que estamos vivendo.

E, claro, como premissa, a gestão precisa estar em constante adaptação ao que cada contexto exige. Naturalmente outras estratégias vão ganhando relevância nas empresas para que elas se mantenham competitivas.

Hoje, um onboarding bem estruturado é crucial para engajar os melhores talentos. De acordo com um estudo realizado pelo Aberdeen Group, quando um novo funcionário passa por um processo de integração positivo e envolvente, é 69% mais provável que ele permaneça na empresa por pelo menos três anos. O mesmo estudo diz que 90% dos novos funcionários determinam, nos primeiros seis meses, se permanecerão na empresa ou não.

E aí, já está convencido(a) da importância da implementação de um onboarding completo na sua empresa? Se ainda não, esse artigo é especialmente para você. E mesmo que você já saiba dessa importância, vamos te mostrar como estratégias criativas resultam em local de trabalho mais envolvente e que a gamificação pode ser uma ótima escolha para isso.


Onboarding


Receber, integrar e treinar novos funcionários pode até parecer uma tarefa simples, mas não é. É muito comum identificar empresas que agem como se o novo funcionário pudesse naturalmente “pegar” na prática suas funções, expectativas, regras, cultura da empresa e etc. Na verdade, essa transição deve ser suave, e representa muito mais do que só fornecer orientação a novos funcionários.

É importante que o onboarding esteja conectado ao recrutamento e seleção da empresa, afinal não queremos quebra de expectativa dos aprovados entre uma fase e outra. E assim fica clara a relação do onboarding com a experiência do colaborador também, afinal perpassa tanto o primeiro contato como a chance de conquistar de vez aquela pessoa, apresentando a cultura, o clima, EVP e a equipe.

Além disso, quando falamos sobre marca empregadora, o onboarding atua como etapa fundamental. Tente lembrar da sua primeira semana ou primeiro mês em um novo emprego…Você lembra de comentar com família e/ou amigos sobre o novo trabalho? Ou então consegue lembrar de amigos comentando com você sobre a primeira semana deles? Pois é, é nos primeiros dias de um novo emprego que as pessoas mais comentam, postam e se empolgam sobre ele. Tudo é novidade. E é claro, isso ajuda a fortalecer a marca empregadora.

Claro que a complexidade do onboarding vai depender de empresa para empresa, mas aqui está uma lista de aspectos que podem ser transmitidos ao novo colaborador durante essa etapa:

  1. Cultura (valores, práticas recomendáveis)

  2. Funções, responsabilidades, metas

  3. Como funciona a comunicação na empresa

  4. Treinamento de habilidades

  5. Funcionamento e aspectos do negócio

  6. Principais líderes

  7. Apresentação do time

Mas e então, o onboarding é importante apenas para que o novo funcionário se sinta bem acolhido? Não! Ele deve trazer benefícios ao negócio também. O onboarding bem estruturado acelera o desenvolvimento de novos profissionais, podendo otimizar seu desempenho. Ou seja, quanto mais rápido o colaborador estiver integrado e ciente de suas funções, mais rápido ele entregará resultado. E com isso diminui-se o gap entre a entrada e o pleno desempenho de suas funções. O famoso ganha-ganha.

Até aqui só falamos de onboarding, onde entra a gamificação?


Gamificação


Com o mercado cada vez mais dinâmico, a importância de um onboarding eficiente e envolvente é maior, e a gamificação é uma ótima abordagem quando se pretende aumentar o engajamento com uma atividade, e deixá-la mais envolvente e lúdica.

Alguma vez você já perdeu a noção do tempo enquanto jogava? Ou já presenciou pessoas passarem horas a fio entretidas a um videogame? Isso mostra como os elementos presentes nos jogos são poderosos em prender a sua atenção. E a gamificação é exatamente isto: o uso de mecânicas típicas de jogos afim de criar um fluxo envolvente de motivação em contextos que não são jogos, como por exemplo, seu trabalho.


Gamificação e onboarding


E se ainda não está claro como o onboarding e a gamificação podem ser complementares, nós explicaremos a seguir.

Os jogos costumam ser baseados em narrativas e possuem objetivos bem específicos. No início o jogador geralmente não sabe muito sobre aquele universo, mas vai sendo introduzido aos elementos, aprendendo e tomando decisões na prática. E o que intensifica o engajamento ao jogo é o sistema de pontuação utilizado, os níveis, as missões, os rankings, afinal isso tudo representa um feedback em tempo real sobre o desempenho do jogador, o que traz a sensação de aprendizado por conta própria e descoberta de como usar seus novos conhecimentos ao longo do jogo.

Agora leia este parágrafo anterior fazendo uma analogia com uma organização. Os aspectos são muito semelhantes, certo?! E assim fica mais fácil perceber que a gamificação utilizada como estratégia de integração pode trazer dois principais benefícios:

  • Tornar o treinamento envolvente e divertido

  • Acelerar o ritmo de aprendizado e integração até se chegar ao pleno desempenho do novo funcionário

Curtiu a ideia de inserir gamificação no seu contexto? Então confere abaixo alguns aspectos práticos para essa estratégia.


Aplicação prática


Um processo gamificado bem-sucedido parte do vínculo das metas de negócios ao desenvolvimento, da aplicação de elementos que vão de fato engajar o usuário e do acompanhamento desse progresso.

Por isso as etapas para a construção da gamificação devem ser:


1.Definição de um (ou mais) objetivos.


Assim fica mais fácil de todas as suas estratégias estarem direcionadas para o que se espera como resultado. Aqui estamos falando de objetivos do negócio como um todo também. Desde o início o funcionário deve contribuir direta ou indiretamente para os objetivos da empresa e os problemas que ela quer resolver.


2. Descrever perfil do público (jogadores)


Quem vai participar da sua gamificação? Quais são as características e interesses desse público? Sabendo essas respostas você consegue desenhar uma gamificação assertiva e que motive o usuário a participar, estando de acordo com os seus padrões comportamentais.


3. Definição dos comportamentos desejados


Etapa que se refere a como alcançar aquele objetivo traçado, ou seja, o que os funcionários deverão fazer, ou quais comportamentos deverão ter para que se identifique se o objetivo foi atingido.


4. Aplicar mecanismos dos jogos e técnica


Nessa etapa são definidas as plataformas a serem utilizadas, a frequência de interação dos jogadores, como funcionará a mecânica de pontuação, quais serão as recompensas utilizadas e todos os outros elementos de jogo que farão parte do processo. Aqui listamos algumas opções de mecânicas que podem te inspirar:

  • Storytelling;

  • Trilhas de conhecimento;

  • Sistemas de pontuação;

  • Quantificação de experiência;

  • Missões e conquistas;

  • Rankings e premiações.

  • Badges e troféus

  • Sistema de níveis

  • Barras de progresso

  • Avatares

Pronto. Onboarding construído e em execução? Então é hora de aplicar analisar os resultados.

Se a sua gamificação for bem aplicada e seu onboarding bem sucedido, seus benefícios podem incluir:

  • Aumento da motivação dos funcionários

  • Aumento do engajamento

  • Redução do turnover

  • Melhora da marca empregadora

  • Mais rapidez para demonstrar desempenho

  • Maior autonomia dos funcionários

Se esses são os benefícios que as duas estratégias integradas podem trazer, faz sentido que sejam também seus indicadores resultado, certo? E é por isso que os resultados do seu onboarding devem ser acompanhados a curto e médio prazo.


Dicas valiosas pra aplicar na sua gamificação

  • Invista tempo conhecendo seu público;

  • Comunique-se com o time responsável pelo recrutamento e seleção para traçarem estratégias alinhadas;

  • Invista na interação do grupo entrante incentivando o trabalho em equipe e a comunicação;

  • Faça o primeiro dia do funcionário especial e memorável;

  • Seja muito claro e transparente em relação a objetivos, papeis, responsabilidades e expectativas;

  • Invista no game design;

  • Procure um equilíbrio. Jogos com complexos demais podem frustrar o usuário, e os fáceis demais podem perder a “graça”;

  • Conheça mais sobre o Octalysis Framework, uma metodologia de gamificação que divide os aspectos motivadores do ser humano em 8 dimensões e descreve opções de elementos de jogos de cada uma delas.

Quer aprender mais sobre possibilidades de gamificação e aplicar na sua empresa?

Conte com a nw2 neste processo. Vamos junt@s?

33 visualizações

©2020 por nw2.